Home PageMapa do SiteImprimir

MENA

quarta, 23 março 2011 00:00

Manifestantes Egípcias obrigadas a submeter-se a “testes de virgindade”

A Amnistia Internacional apelou hoje, dia 23 de Março, às autoridades egípcias para que investiguem as denúncias de tortura, incluindo as relativas à realização de “testes de virgindade”, que terão sido infligidas pelo exército a manifestantes que foram detidas na Praça de Tahrir este mês.

 
segunda, 07 fevereiro 2011 00:00

Egipto deve investigar detenção de activistas

A Amnistia Internacional apelou para que seja feita uma investigação sobre a detenção de cerca de 35 jornalistas e activistas dos Direitos Humanos, incluindo dois funcionários da Amnistia, que foram libertados depois de quase dois dias sob custódia militar.

 
sexta, 04 fevereiro 2011 00:00

Egipto: activistas dos Direitos Humanos detidos devem ser libertados

As autoridades egípcias devem pôr fim à sua campanha para silenciar os activistas de Direitos Humanos, à medida que as manifestações continuam, afirmou hoje a Amnistia Internacional.

Após o ataque ocorrido ontem ao Law Centre, no Cairo, dois membros da equipa da Amnistia Internacional encontram-se desaparecidos e acredita-se que estejam sob custódia da polícia militar. Também outros activistas de Direitos Humanos foram detidos e alguns jornalistas foram perseguidos.

 
quarta, 26 janeiro 2011 00:00

Jornalista iemenita detido após declarar envolvimento dos E.U.A num ataque com mísseis

Um jornalista iemenita, detido pelas suas supostas ligações à al-Qa’ida, parece ter sido visado pelo seu trabalho na divulgação de informações sobre a cumplicidade norte-americana nos ataques ocorridos no Iémen, afirmou a Amnistia Internacional.

 
terça, 26 janeiro 2010 00:00

Direitos Humanos em risco no Iémen devido às crescentes medidas de segurança

No relatório sobre a situação do Iémen divulgado pela Amnistia Internacional no dia 20 de Janeiro, a organização denúncia o aumento da violência e das violações dos Direitos Humanos em relação aos opositores e críticos do Governo. Também as políticas de resposta à ameaça da Al-Qaeda no Iémen podem conduzir a uma espiral crescente no que diz respeito às violações dos Direitos Humanos.

 
quinta, 20 agosto 2009 00:00

Tunísia: Um ano depois as preocupações mantêm-se

altAs autoridades tunisinas continuam a cometer violações dos direitos humanos em nome da segurança e do contra-terrorismo e, no entanto, outros estados continuam a repatriar à força, ou ameaçar fazê-lo, cidadãos tunisinos que enfrentam risco de tortura e outras ameaças, se regressarem à Tunísia, afirmou a Amnistia Internacional no momento da publicação de um novo relatório.

 
quarta, 22 julho 2009 00:00

Arábia Saudita: Violações dos Direitos Humanos em nome do contra-terrorismo

altA Amnistia Internacional lança hoje, dia 22 de Julho, um novo relatório onde defende que as autoridades da Arábia Saudita lançaram um ataque sustentado aos direitos humanos sob a fachada do contra-terrorismo.

Em “Saudi Arabia: Assaulting Human Rights in the name of Counter-Terrorism”, é sublinhado o impacto das medidas anti-terrorismo adoptadas no seguimento do ataque ao World Trade Center a 11 de Setembro de 2001, relatando os abusos que têm contribuído para agravar uma situação de direitos humanos já muito delicada.

As medidas anti-terrorismo introduzidas desde 2001 fizeram recuar o processo da limitada reforma dos direitos humanos na Arábia Saudita. Combinada com a severa repressão de todas as formas de dissidência e com uma fraca estrutura de direitos humanos, observa-se agora uma quase completa falta de protecção das liberdades e direitos.

Milhares de pessoas foram presas e detidas em segredo e outros foram mortos em circunstâncias incertas. Centenas mais enfrentam julgamentos secretos e sumários e possível execução. Muitos foram, segundo relatos, torturados para extrair confissões ou como castigo após condenação.

Estas medidas anti-terrorismo injustas agravaram uma já delicada situação de direitos humanos”, afirmou Malcolm Smart, Director do Programa da Amnistia Internacional para o Médio Oriente e Norte de África. “O governo da Arábia Saudita tem-se feito valer da sua poderosa influência internacional para se evadir. E a comunidade internacional falhou em responsabilizar o governo por estas graves violações”.

Saiba mais através do relatórioSaudi Arabia: Assaulting Human Rights in the name of Counter-Terrorism”.

 

Pág. 27 de 27