Home PageMapa do SiteImprimir
 
STOP Tortura

Imprimir
segunda, 26 junho 2017 15:24

A tortura está em cena no Teatro São Luiz

PedroeCapitao 150 121Tornar a realidade mais real é talvez o pleonasmo que ajuda a explicar a parceria entre a Amnistia Internacional Portugal e o projeto “Pedro e o Capitão”. A tortura, que para muitas pessoas é uma realidade distante, ou até desconhecida, torna-se palpável no espaço intimista da Sala Mário Viegas, no Teatro São Luiz, em Lisboa. Foi assim que sentiu o público que, este domingo, conversou com os atores sobre teatro e sobre tortura, numa antecipação ao Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura, que se assinala esta segunda-feira, 26 de junho.

Trinta anos passaram desde o dia em que Estados de todo o mundo fizeram entrar em vigor a Convenção das Nações Unidas contra a Tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes. Assumiram então o compromisso de tomar todas as medidas necessárias com vista a impedir atos de tortura no seu território e garantiram que “nenhuma circunstância excecional” justificaria alguma vez a tortura.

Hoje continuamos a ter de assinalar este dia dedicado aos que sofrem de tortura e de outros maus tratos. Como Shawkan, um fotojornalista egípcio que está a ser preso e torturado por fazer o seu trabalho, como as milhares de pessoas torturadas na prisão de Saydnaya, na Síria, conforme revelado pela Amnistia Internacional, como centenas de homens que na Tchetchénia estão a ser presos, torturados e assassinados por serem identificados como homossexuais.

E como acontece em Portugal, com o uso excessivo da força pela polícia, e em “tantas outras situações que vão ocorrendo no mundo, hoje, agora, neste minuto em que estamos a conversar”, lembra o diretor executivo da Amnistia Internacional Portugal, Pedro Neto, a abrir o debate que aconteceu domingo, 25 de junho, entre os atores e o público que assistiu à peça “Pedro e o Capitão”.

Para todos os que não puderam estar presentes, reproduzimos o vídeo gravado durante a conversa. “Pedro e o Capitão” vai estar em cena mais cinco dias, de quarta-feira a domingo, e 10% da bilheteira reverte para o trabalho de promoção e defesa dos direitos humanos da Amnistia Internacional. Bilhetes disponíveis aqui.