Home PageMapa do SiteImprimir

Imprimir
terça, 22 novembro 2011 12:20

Vamos impedir mais um desalojamento forçado na China

altCerca de 1.000 lares estão em risco de desalojamento forçado numa comunidade de Pequim, na China. Vamos impedir que mais pessoas fiquem sem casa!
Os desalojamentos forçados são prática corrente na China. Milhares de pessoas foram desalojadas para a obtenção de terrenos onde foi construída a Cidade Olímpica de Pequim. Outras milhares foram expulsas das suas casas para a construção da Exposição de Xangai. A maioria ficou sem um tecto onde se abrigar.

Os que tentaram protestar e defendê-las, foram presos e condenados a longos anos de prisão por “provocar desacatos e procurar problemas” ou por outras acusações igualmente absurdas.

Solidariedade com a comunidade de LIULANGZHUANG

O que um lar significa para si

LIULANGZHUANG situa-se em Pequim e é uma comunidade com cerca de 1.000 lares. Os seus residentes estão agora em risco de desalojamento forçado e dizem não ter sido consultados sobre os desalojamentos. Estão a pedir às autoridades para se reunir com eles. Também dizem que as indemnizações propostas são claramente insuficientes.
A Amnistia Internacional está a tentar evitar estes desalojamentos, através de várias acções. Uma delas consiste em exprimir a nossa solidariedade para com a comunidade.

Para isso, pedimos-lhe:

  1. Desenhe ou faça uma colagem que represente uma casa, numa folha em tamanho de postal, e por baixo escreva: No to forced evictions in Liulangzhuang/ Não aos despejos forçados em Liulangzhuang
  2. Assine no final.
  3. Envie o desenho ou colagem, digitalizada, via email, para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. até ao dia 28 de Novembro.

Os desenhos/colagens em cartão do tamanho de um postal serão enviados para o escritório da Amnistia Internacional em Hong Kong. Pretende-se que cada família de Liulangzhuang receba pelo menos um postal e como são muitas pessoas precisamos de alguns milhares de postais.
A comunidade poderá usá-los como meio de pressão perante as autoridades chinesas.