Home PageMapa do SiteImprimir
 
Não à Discriminação

Imprimir
quinta, 06 janeiro 2011 14:59

Racismo e Discriminação com Base na Religião e Crenças

O racismo, a xenofobia e a intolerância relacionada têm-se mostrado difíceis de eliminar na Europa. A discriminação com base na origem étnica continua generalizada nas áreas da habitação, do emprego e do acesso a serviços, particularmente no setor privado. Os ataques racistas perpetrados por atores não-estatais continuam a ser um problema em todo o continente. O racismo dentro das agências que garantem o cumprimento da lei manifesta-se seja na inadequação da extensão dos serviços e proteção a membros das minorias étnicas vítimas de crime, seja em maus-tratos e abusos de motivação racial.

Dois grupos que geralmente sofrem discriminação devido a uma série de preconceitos justapostos são os Judeus e os Muçulmanos. Estes dois grupos sofrem discriminação não só devido às suas origens étnicas e às suas, muitas vezes presumidas e mal compreendidas, crenças religiosas, mas também devido às suas supostas convicções políticas e responsabilidade por eventos mundiais. A discriminação devido a estas razões justapostas toma uma variedade de formas, desde ataques violentos, interferências na liberdade de culto e expressão e negação da igualdade de acesso ao emprego e a bens e serviços.

Para além das minorias tradicionais ou de longa duração, tal como a etnia Roma, sucessivas vagas de emigração trouxeram à Europa, após a Segunda Guerra Mundial, milhões de pessoas e muitas novas religiões, culturas e costumes.

 

Infelizmente, a maioria dos países da Europa Ocidental fracassaram na integração eficaz dos seus migrantes do pós-guerra e das novas minorias étnicas, duma forma que garanta a fruição de todos os direitos humanos e, simultaneamente, a preservação das diferenças sociais, culturais e religiosas. Torna-se cada vez mais comum questionar a compatibilidade das duas, com uma xenofobia fracamente disfarçada a apelar a uma maior adoção dos costumes e valores das comunidades maioritárias.

A tolerância e o respeito devem ser, contudo, mútuas de forma a serem significativas. E devem ser acompanhadas por uma igualdade de oportunidades real. Isto ainda não foi bem sucedido em lugar algum. Mesmo após três gerações, e muito depois da obtenção da cidadania, membros de minorias étnicas visíveis ainda enfrentam discriminação, desvantagens e exclusão em todas as áreas da vida.

A ascensão de partidos políticos de extrema direita (a posições de poder, em muitos países), e a ubiquidade do discurso xenófobo são apenas a face visível do preconceito que afeta o dia-a-dia quer de minorias étnicas há muito estabelecidas quer de migrantes recentes.