Home PageMapa do SiteImprimir

Histórias de Sucesso

sábado, 26 março 2016 18:02

Adolescente que desafiou a tortura no Egito liberto ao fim de dois anos

A libertação sob fiança do jovem Mahmoud Hussein às primeiras horas desta sexta-feira, 25 de março, oferece uma pequena réstia de esperança no profundamente falhado sistema de justiça egípcio. A libertação aconteceu pela uma hora da manhã no Cairo, Egito, e o jovem está já junto da família (na fotografia, à direita, com o irmão Tarek).

 
quarta, 11 dezembro 2013 16:18

Casos de sucesso da Maratona de Cartas: a força de não estar sozinho

O jovem ativista Jabbar Savalan, do Azerbaijão, mal podia acreditar no que via quando os guardas prisionais lhe entregaram, pela primeira vez, um saco de cartas. A maior parte era de pessoas que ele nunca conhecera, de países onde ele jamais estivera – todas o encorajavam a manter-se forte e diziam-lhe que estavam a exercer pressão sobre as autoridades no país para que o libertassem.

 
terça, 05 novembro 2013 10:40

Vitória judicial histórica de vítima de tortura do Chile

Foram precisos quase 40 anos de exílio num subúrbio londrino até Leopoldo García obter justiça, mas a decisão chegou finalmente, pela mão do Tribunal Interamericano para os Direitos Humanos.

 
segunda, 30 setembro 2013 16:40

Boas Notícias: prisioneiro de consciência recebe Prémio de Direitos Humanos

O bielorrusso Ales Bialiatski, um dos casos adotados pela Amnistia Internacional, venceu esta segunda-feira o Prémio de Direitos Humanos Václav Havel, da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa.

 
quinta, 10 janeiro 2013 13:38

A nossa assinatura fez a diferença

altFoi libertado o ativista Kartam Joga, que esteve mais de dois anos preso por defender os direitos dos povos indígenas (chamados Adivasi) da região de Chhattisgarth, no centro da Índia. A libertação aconteceu terça-feira, 8 de janeiro. Voltámos assim a confirmar que a nossa assinatura tem mais força do que imaginamos e pode realmente mudar vidas.

 
terça, 28 agosto 2012 14:45

Nigéria: Menor libertado ao fim de 17 anos

altApós quase duas décadas de prisão, Patrick Okoroafor foi finalmente libertado no passado mês de maio. O nigeriano tinha apenas 14 anos quando foi detido e acusado de assalto à mão armada e roubo de 5.500 nairas nigerianas (cerca de 27 euros). Dois anos depois, em 1997 e ainda menor, foi condenado à morte, mas a sentença, ilegal, foi rapidamente alterada para prisão perpétua. Em 2009 as autoridades reduziram a pena para 10 anos de encarceramento, a cumprir a partir dessa data.

 
terça, 28 agosto 2012 14:43

Irão: Mais Repórteres pelos Direitos Humanos foram libertados

 
altA 12 de abril foi libertado o ativista iraniano Kouhyar Goudarzi, depois de o mesmo ter acontecido à sua mãe, Parvin Mokhtare, em liberdade desde 18 de março de 2012. Refira-se que os dois tinham sido presos a 31 de julho e a 1 de agosto de 2011, respetivamente, com acusações que passavam por “espalhar propaganda contra o sistema” e “reunião e conspiração contra a segurança nacional”. Kouhyar foi ainda acusado de pertencer ao grupo PMOI-People’s Mojahedin Organization of Iran e de se ter manifestado, frente às Nações Unidas, pela retirada do nome da organização da lista de grupos terroristas. Foi então condenado a cinco anos de prisão e a sua mãe a 23 meses, depois de julgamentos onde não houve direito a defesa.

 
terça, 28 agosto 2012 14:41

 

Março de 2012
 

México: Governo reconhece responsabilidade em casos de violação

altNo passado dia 6 de março, o governo mexicano fez um Ato Público de Reconhecimento da sua responsabilidade no caso de Inéz Fernández, mulher que, em 2002, havia sido violada por militares dentro de sua casa, no sul do México. Tal já tinha sido feito no dia 15 de setembro de 2011 para com Valentina Cantú, mulher que passou pelo mesmo em 2002. Este reconhecimento era um dos pedidos da Amnistia Internacional, tal como divulgado nos Apelos Mundiais da revista anterior. Falta ainda que o governo conduza uma investigação imparcial e imediata às violações, que faculte compensações para as vítimas e que reforme o sistema judicial para que as violações dos direitos humanos sejam julgadas em tribunais civis. Porém, este foi já um grande passo conseguido em tão pouco tempo… Obrigada a todos os que participaram!
 
 

Pág. 1 de 8