Home PageMapa do SiteImprimir

PEDRO E O CAPITÃO 

17761096 10154878254092702 6915988785312530576 o

A Amnistia Internacional Portugal associou-se ao projeto “Pedro e o Capitão”, uma peça de teatro de Mário Benedetti, que aborda o tema da tortura, propondo uma reflexão sobre esta prática que ainda persiste. Nesta obra, o autor parte da temática da tortura, explorando a dupla torturador / torturado, fazendo sentir a tortura sem nunca a mostrar diretamente. Assim, a obra não é sobre o confronto entre o torturador e torturado, mas sim dos confrontos de dois homens, que se reconhecem com diferenças e afinidades, com forças e vulnerabilidades.

Mostra-se que o torturado não é só uma vítima indefesa, mas uma pessoa com forças, com convicções, que utiliza o seu silencio como escudo e que prefere a morte à traição. Nesta dicotomia, e como diz o próprio autor, mostra-se também que conjunturas de vida levam um ser humano “normal” a tornar-se um torturador.

Mário Benedetti venceu em 1986 o prémio “Chama Dourada” da Amnistia Internacional, pela ligação das suas obras a temáticas dos direitos humanos.

A parceria com a Amnistia Internacional Portugal (AI-PT) surge no âmbito do forte trabalho que esta organização tem desenvolvido no combate a práticas de tortura e maus tratos. Neste sentido, a AI-PT abriu um ciclo de conferências do Museu do Aljube, no passado dia 12 de Abril, dando precisamente uma visão transversal sobre o estado das práticas de tortura e maus-tratos hoje.

Também, no dia 25 de Junho, e marcando por antecedência o Dia Internacional de Apoio às Vitimas de Tortura no dia seguinte, a AI-PT fará parte de uma conversa aberta com o público no final do espetáculo da tarde.

Esta parceria insere-se no projeto "Arte pela Amnistia"(Art for Amnesty), projeto que liga as mais diversas expressões na promoção dos direitos humanos, incluindo o cinema, literatura, poesia, música, fotografia, design ou das artes preformativas. Neste projeto, a Amnistia Internacional abraça a criatividade e celebra a expressão artística enquanto ferramenta de promoção dos Direitos Humanos e na expressão do que significa ser “humano”, procurando criar uma comunidade artística global que atua, com a sua obra e arte, por um mundo onde todas as pessoas usufruam em pleno dos seus direitos.

A peça estará em cena no teatro municipal de S. Luiz, Sala Mário Viegas, em Lisboa, de 23 de junho a 2 de julho de quarta a sábado, 21h; domingo 17h30.

Pode saber mais informações na página de Facebook do projeto ou no evento do Teatro Municipal São Luiz.

 
 

ban door2door